Artigos

Hipnose Forense: Tudo Que Você Precisa Saber

Hipnose Forense: Tudo Que Você Precisa Saber

Entrevistas hipnóticas foram usadas para ajudar a relembrar problemas que algumas testemunhas oculares podem apresentar. O hipnose forense O Básico inclui uma série de fases: a primeira é a atividade preliminar realizada antes da sessão de hipnose, inclui a revisão das informações básicas do evento. A sessão de hipnose em si inclui as seguintes fases:

Hipnose forense: fases da técnica

1. Pré-indução

Deveria explicar o papel e a identidade de cada pessoa presente. A sala está preparada: nível de luz, temperatura, remoção de lentes de contato e, se necessário, uso do banheiro.

É útil dê uma breve explicação sobre o que será a sessão e verifique a motivação do sujeito. As técnicas típicas usadas durante esta fase são: fixação da visão, respiração profunda, relaxamento muscular e repetição das instruções para relaxar.

2. Aprofundamento

Ajuda o sujeito a alcançar um nível ótimo de conforto. As técnicas típicas usadas nesta fase são: contando de 10 a 0, imagine descer vários andares por elevador, escadas, abrir e fechar os olhos, levitação do braço e uso de técnicas de imaginação como cenas na praia, campo ou montanhas.

3. Elicitação de informações

É a memória da cena do crime e os parâmetros temporais. A técnica geralmente usada: sono induzido.

4. Desnotificação

São as instruções para fazer você se sentir calmo, relaxado em todos os aspectos. Se pode ajudar fora da hipnose contando ou instruindo você através de uma ordem que o deixa totalmente acordado, alerta.

É importante diferenciar o hipnose forense, da pesquisa sobre hipnose terapêutica. Eles são diferentes áreas de aplicação. O hipnose forense ou investigativa Ele se concentra na memória dos detalhes de um evento criminal real e recente, as instruções são projetadas para maximizar a possibilidade da memória precisa da testemunha.

A suposição que geralmente justifica o uso dessa técnica é que os traços de memória de um fato são registrados e permanecem permanentes e subconscientemente na memória do sujeito poder ser recuperado em um estado de sugestão hipnótica.

Uso da hipnose forense: vantagens e limitações

O uso dessa técnica é baseado em casos reais em que seu trabalho foi capaz de fornecer informações que a testemunha não pôde oferecer em condições normais. No entanto, a pesquisa experimental não oferece suporte empírico sólido para o uso dessa técnica na coleta de informações.

Segundo alguns autores, as diferenças entre situações reais de depoimentos e simulações de laboratório podem estar por trás do falhas obtidas com esta técnica em pesquisas psicológicas.

Possíveis limitações da hipnose forense

Assim, para Smith (1983), os estudos que encontraram ineficiência da hipnose foram caracterizados e diferenciados dos casos reais de depoimento pelas seguintes características:

  • Tipo de material lembrado: enquanto em situações reais o indivíduo está envolvido em um evento significativo, em um contexto real e com muita riqueza para estimular, estudos de laboratório são dedicados a investigar a eficácia da hipnose para aumentar a memória de fatos ou listas. de palavras.
  • Nível de ativação: normalmente, as situações para as quais o testemunho é solicitado são caracterizadas por altos níveis de excitação que produzem Esse aspecto é um dos mais frequentemente utilizados para justificar o uso da hipnose: favorecer a memória de informações sobre eventos traumáticos e desagradáveis ​​para o indivíduo.
  • Aprendizagem intencional versus acidental: Enquanto no laboratório, os sujeitos devem participar explicitamente do evento simulado e saber que posteriormente serão solicitados a lembrá-lo; em casos reais, as informações obtidas pelo sujeito não são direcionadas por instruções explícitas de atenção.
  • Consequências da memória: Embora as consequências derivadas das informações fornecidas por uma "testemunha" em uma investigação não sejam relevantes para ele ou para os supostos envolvidos, essas consequências podem ser extremas em casos de testemunho real.

De qualquer forma, os resultados de estudos que eliminaram essas diferenças entre situações reais e laboratoriais encontraram novamente evidência negativa da eficácia da hipnose forense.

Possíveis vantagens da hipnose forense

Parece, portanto, que A utilidade da hipnose forense ou investigativa não é empiricamente suportada por estudos bem controlados. Embora possamos nos perguntar por que os benefícios obtidos com esta técnica podem ser devidos em casos reais. Segundo Smith (1983), isso se deve a três características:

  • Esse tipo de técnica favorece o sujeito diminua seus critérios para lembrar as informações relacionadas ao evento testemunhado. Por exemplo, o assunto é enfatizado para lembrar muitas informações sem se preocupar com o fato de estar errado.
  • Restabelecimento do contexto de codificação, uma vez que a testemunha geralmente é instruída a tentar se colocar na situação real.
  • Aumento do número de tentativas de lembrar informações do evento: Como a hipnose geralmente é realizada após o indivíduo não lembrar as informações solicitadas, essa nova tentativa é outra oportunidade de lembrar.

Em conclusão, o importante é verificar o efeito de entrevistas hipnóticas, mas usando ambientes naturais para aumentar a validade ecológica desses estudos. Também com esse tipo de estudo, dados sobre questões como a forma como as informações são adquiridas, armazenadas e recuperadas da memória podem ser oferecidos.

Referências

  • Cano Sanz, A. e González Ordi, H. (1998). Hipnose ForensePerícia psicológica em procedimentos civis e trabalhistas, 217-259.
  • Macías, Y. C., González, E. J. L., Rangel, Y. R., Brito, M. G., González, A. M. V., & Angulo, L. L. (2013). Hipnose: uma técnica ao serviço da Psicologia.MediSur11(5), 534-541.
  • Ordi, H. G. e Tobal, J. J. M. (1994). Dados experimentais versus clínicos na pesquisa de hipnose.Psychothema6(1), 27-38.